MP vai investigar apresentador e produtora por apologia ao nazismo

MP vai investigar apresentador e produtora por apologia ao nazismo

A Promotoria de Direitos Humanos do Ministério Público de São Paulo abriu inquérito para investigar suspeita de apologia ao nazismo feita, no podcast Flow, pelo apresentador e influenciador digital Bruno Aiub, conhecido como Monark. No entendimento dos promotores, ele defendeu a “criação de um partido nazista” durante entrevista com os deputados federais Kim Kataguiri (DEM-SP) e Tabata Amaral (PSB-SP).

Na portaria do inquérito consta que o apresentador, sócio da produtora Flow Podcast, afirmou, na entrevista que foi ao ar ontem (8), que “a esquerda radical tem muito mais espaço que a direita radical, na minha opinião. Eu sou muito mais louco que todos vocês. Acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido”.

Segundo os promotores Anna Trotta Yaryd e Reynaldo Mapelli Júnior, que assinam o pedido de abertura de investigação, “houve expressa defesa da criação de um partido nazista, como se este partido fosse decorrência do direito à liberdade de expressão”.

No texto da portaria, eles destacam que está implícito no discurso do apresentador a violência contra diversos grupos. “A criação de um partido nazista representa, em síntese, a criação de um partido político feito para perseguir e exterminar pessoas, notadamente judeus, mas também pessoas com deficiência, LGBTQIA+ e outras minorias.”

Após intimados, o Flow Podcast e o apresentador Bruno Aiub terão 30 dias para apresentar informações sobre os fatos e sobre a constituição societária da produtora que produz e veicula o conteúdo.

Segundo nota divulgada ontem (8), os Estúdios Flow informaram que o episódio do podcast (arquivo digital de áudio transmitido pela internet) foi retirado do ar e o apresentador foi desligado da produtora. Em vídeo, também divulgado na noite de ontem, Igor Coelho, que é sócio de Aiub, anunciou vai comprar a participação do apresentador nos estúdios, encerrando a ligação de Monark com a empresa.

No comunicado, os Estúdios Flow afirmam ainda ter compromisso com a democracia e os direitos humanos, lamentando o ocorrido. “Pedimos desculpas à comunidade judaica, em especial e a todas as pessoas, bem como repudiamos todo e qualquer tipo de posicionamento que possa ferir, ignorar ou questionar a existência de alguém ou de uma sociedade.”

Bruno Aiub divulgou um vídeo em seu canal no Twitter em que diz que errou, pede desculpas e afirma que estava “muito bêbado” na ocasião.

 

 

Fonte: Agência Brasil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.